VideoBar

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Curso de Isabel Rosete sobre Àlvaro de Campos, Sociedade da Língua Portuguesa, Lisboa, Maio 2011



ÁLVARO DE CAMPOS: «Sentir tudo de todas as maneiras»
Por Isabel Roste

1ª Sessão: «De monóculo e casaco exageradamente cintado» (sou) «franzino e civilizado» - O Campos de Fernando Pessoa(s)
1. O nascimento de Álvaro de Campos («um súbito impulso para escrever e não sei o quê») e a histeria de Fernando Pessoa
2. Campos e o seu Mestre Caeiro: a urgência de sentir e o ser si próprio
3. O canto originário do Poeta: o Ser, o Mistério, a Realidade, a Morte, o Homem, o Enigma da Existência, os deuses, Deus e o Destino
Poemas: «Mestre, meu mestre querido!», «Ah, perante esta única realidade, que é o mistério», «Se te queres matar, porque não te queres matar?»

2ª Sessão: «Nunca fiz mais do que fumar a vida» - O Decadentismo
1. O estilo confessional brusco e divagativo de um poeta decadente
2. A nostalgia do além: os sonhos de um Oriente inexistente, o cansaço da civilização e a consolação pela embriaguez do ópio
3. A «Pátria é onde não estou»
4. O aborrecimento de uma alma sensível: o cansaço e horror à vida
Poemas: «Opiário», «O que há em mim é sobretudo cansaço»

3ª Sessão: «Ah, poder exprimir-me todo como um motor se exprime!/Ser completo como uma máquina!» - Sensacionismo e Futurismo
1. Emotivo e sensacionista: um poeta da vertigem, das sensações modernas, da volúpia da imaginação e da energia explosiva
2. O legado de Marinetti e de Whitman, a emergência do Futurismo e a exaltação da Energia, do Progresso e da civilização industrial
3. Uma estética não-aristotélica: da ideia de “beleza” à ideia de “força” e a emotividade individual de uma vitalidade transbordante
Poemas: «Ode Triunfal», «Dois Excertos de Odes», «Ode Marítima», «Saudação a Walt Whitman», «Passagem das Horas»

4ª Sessão: «Não posso querer ser nada./À parte disso, tenho em mim todos os sonhos do mundo» - Da Inquietação e da Abulia do Campos ele-mesmo
1. Álvaro de Campos irmão do Pessoa ortónimo
1.1. «A consciência da ilusão do não-sentido do mundo» e as reminiscências saudosas do mundo fantástico da infância
1.2. O cepticismo e a dor de pensar
2. Solidão interior e angústia existencial: o poeta do abatimento e da atonia, cosmopolita, decaído e melancólico
3. Desassossego, náusea, tédio, negatividade do real e do eu
Poemas: «Dactilografia», «Tabacaria», «A Casa Branca Nau Preta»

Isabel Rosete
A partir de 19 de Maio 4 Sessões, sempre às Quintas-feiras, das 19.00h -20.30 h, 40 Euros

Enviar um comentário