VideoBar

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

segunda-feira, 2 de maio de 2011

Mergulho na neve branca da tua face tão serena, por Isabel Rosete


Mergulho na neve branca da tua face tão serena.
Assoma a paz, aquela tranquilidade única da quietude
Inebriante que antecede um doce e terno beijo.
Unem-se as bocas, depois os corações, depois
Os corpos que, lentamente, vão ficando ansiosos.
Assoma a paixão que nos distrai a alma,
Que nos adormece a mente liberta dos sentidos.
O corpo ergue-se em toda a sua pujança,
Vigoroso e hirto. Já não há serenidade. Só o arrepio
Da pele eriçada. Só o fogo genital. Só a respiração
Ofegante. Só os batimentos cardíacos acelerados
E descontinuados. Só as nuvens claras e esparsas.
Só o Sol de um brilho e calor instintivos. Só o
Cansaço e a exaustão prazerosa durante e depois
Do amor. Aí permanecemos quase prostrados, de
Corpos nus e suados, nos lençóis desajeitamente enrolados
De uma cama desfeita, prontos para iniciar mais
Um ciclo de dualidades emocionais quase perfeitas
Que a paixão consome.

IR, 09/02/2011

Enviar um comentário