VideoBar

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

terça-feira, 25 de dezembro de 2012

Hoje a noite está escura e quente, por IR



Hoje a noite está escura e quente, agradável para o surgir espontâneo do Pensamento. Apenas algumas estrelas pairam, aqui e ali, como focos fixos de uma intensidade luminosa e constante, nesse céu de um denso azul, quase negro, quase misterioso, quase insondável.
Umas brilham mais; outras menos. Umas estão voltadas para mim e alumiam, indelevelmente, o papel onde escrevo; outras, viradas para direcções que não identifico, parecem-me inacessíveis. Mesmo assim, sinto-me iluminada por elas neste ponto tão distante da minha varanda de onde, fixamente, as observo, refrescando-me com a escassa brisa fresca que, de vez em quando, me vai chegando.
As árvores recortam o firmamento, tal como os telhados das casas, que daqui avisto sob várias formas, por entre as luzes eléctricas que as estradas clareiam.
É tão simples este meu estar aqui, na minha varanda, numa espécie de sossego musical que me harmoniza com estas formas ainda não adulteradas da Cidade e da Natureza, em perfeita união com o espaço cósmico, onde me sinto completamente integrada.
Só não ouço o canto dos pássaros, já recatados nos seus ninhos!
Como amo esta solidão que me trás a paz no fôlego aberto da escrita, que move o meu pensamento a exteriorizar-se, tal como ele próprio é e quer manifestar-se.
Nestes momentos de serenidade, nada o pressiona ou afasta do seu curso natural. Na sua solidão, diz-se sem atrofios. A sua liberdade é plena. Determina o seu rumo, os caminhos por onde vai.
Nestes momentos de quietude, nada tenho que me impeça de pensar na amplitude total do ser do pensamento.
Nestes momentos de tranquilidade, nada me impede de sonhar, de imaginar o Tudo, qualquer coisa deste ou de outro mundo qualquer. Aqui me amparo e ancoro.
Despeço-me, neste estado de interrupção da minha existência material, das amarguras da vida, daqueles pedaços de dor que tanto me atormentaram a alma e me contagiaram o corpo.
Nesta minha varanda ‑ assim deitada na cama de rede vermelha que me abriga o corpo ‑ suspendo-me. Suspendo-me literalmente. Entro no in-habitual. Vejo-me em mim mesma – por entre essas casas, essas árvores e esses postes eléctricos ‑, não como Narciso, mas no meu próprio Ego despojado de qualquer visão marcada pelo pré-conceito, por um outro, ou pela ilusão de um outro de mim, pela análise parcial do Eu para com o Eu.
Já não há reflexos, nem sombras, nem parêntesis… Apenas eu, completamente desnuda, no mais íntimo e veraz do meu ser, incompleto, nas franjas da sua própria invisibilidade total.
Eis quando surge, quando se revela ‑ depois de um estado de latência mais ou menos prolongada ‑ a minha verdadeira Identidade. É um processo recôndito de regresso a mim mesma, traçado na aura do mais enigmático de mim, aonde desço para, depois, me voltar a erguer, des-velando as minhas entranhas.
Por este modo de auto-conhecimento, nasce o amor-próprio no que ele tem de mais genuíno, original e originário; surgem todas as formas onde o Amor se dá, na comunhão do mesmo e do outro.
A Identidade e a Alteridade, o Eu e o Outro, comungam num mesmo ponto: aquele da suspensão e da introspecção do Eu, que o abre a si mesmo, em si mesmo, e ao outro, na mesmidade única. Sabendo-se assim, o meu Eu sabe o seu Eu e o Eu de todos os outros.

IR (semi-heterónimo de Isabel Rosete)
Enviar um comentário