VideoBar

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

sábado, 14 de julho de 2012


BRILHOS, por IR

Neste dia radiante de Sol
Estou só, completamente só,
Esperando o brilho do teu calor,
Meu amor sempre esperado,
Em cada réstia da luz mais ténue.

Não sei se te alcanço.
Não sei se me alcançarás
Quando menos te espero,
Ao fim de uma tarde pardacenta:
- Depois do adormecer dos pássaros,
- Depois do silenciar-se dos rios,
- Depois de eu des-falecer,
- Depois da noite se acabar em lágrimas,
- Depois do riso tornado choro
[No desalento da minha pobre
Alma depenada]
- Depois da morte me chegar
E de me levar para um qualquer Paraíso
Incerto dos amores des-encontrados,
Ou para um qualquer Inferno
[Com ou sem chamas ardentes]
Dos desejos pecaminosos,
… … … …
Permaneço, agora, em silêncio de espera
No alto do meu monte agreste
De lamentações constantes.

IR, Ílhavo, 06/07/2012
Enviar um comentário