VideoBar

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

domingo, 9 de dezembro de 2007

Duvido que seja eu quem escreva

Duvido que seja eu quem escreva
Neste vale de lágrimas impetuoso
Sem deuses
Sem homens
Sem destino…

Agarro a vida por um fio
Tão subtil
Tão frágil
Tão leve
Como as asas dos pássaros migratórios…

O sussurro do mundo envolve-me
Embala-me
Num lento e doce caminhar…

Sinto-me leve
Abandonei todos os grilhões…

A minha alma
Eleva-se
Confunde-se com as nuvens de um céu claro
Transborda de serenidade…

Entrou
Por um momento
Em harmonia consigo mesma
E com o Mundo

Fechou
Por parcos minutos
Os olhos à hipocrisia
À mediocridade
Ao vil
Ao comum…

Enaltece-se
Com a grandiosidade do Universo
Vendou os olhos para os terrores humanos…

Isabel Rosete
03/09/07
Enviar um comentário