VideoBar

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

Ai, se o vento me levasse
Na orla infinda das marés
Que ainda me salpicam!

Ai, se o vento me levasse
No espasmo matinal
Do cheiro eterno das flores!

Aí permaneceria, cândida, pura…
No seio de uma alegria sem fim
Que me acalentaria a alma.

Já não choraria mais
A criança que não fui
Ou a infância que não tive.

Voltaria a brincar com os infantes.
E, finalmente, sorria
Na transparência de um desejo inocente.

Isabel Rosete,
03/12/2009
Enviar um comentário