VideoBar

Este conteúdo ainda não se encontra disponível em ligações encriptadas.

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2009

A monotonia congela-me o Cérebro,
Irrita-me a Alma,
Ávida do sempre novo,
Do constantemente diferente,
Da metamorfose,
Do mistério,
Do enigma,
De todas as incógnitas…

A minha Alma suplica
Pelo desafio do desconhecido,
Do nunca visto ou imaginado,
Do im-pensado e do im-pensável.

A minha Alma caminha para o impossível,
Para o reino efémero da ausência de limites,
Para o paralelamente infinito,
Para todos os caminhos,
Até mesmo para os mais ocultos.

Procura a inocência primeira,
A leveza do Ser de todas as coisas,
Animadas e inanimadas,
Terrestres e celestes,
No seio dos dois lados da quadratura perfeita:
Os Homens, os Deuses, a Terra e o Céu.

A minha Alma busca o Infinito,
Na esperança de encontrar um Mundo Novo,
Exemplar.

Este nosso mundo está gasto,
Saturado,
Des-governado,
Demasiadamente costumeiro
Para quem deseja ver mais longe,
Para além das ilusórias aparências
Que ofuscam o olhar primogénito.
Enviar um comentário